Arquivo da categoria: Aulas

Aulas ministradas mensalmente sobre temas relacionados a Umbanda.

Aula 20 – Incorporação II

Figura2

Charlatanismo
O charlatão não é um médium, mas pode ter sido. Ele se utiliza de todo tipo de mecanismos para ludibriar os seus consulentes a troco de benefícios e dinheiro. O charlatão pode ter sido um médium que através do fascínio se utilizou da mediunidade em proveito próprio, perdendo a capacidade de comunicação com espíritos sérios (guias e espíritos superiores), ficando por conta própria ou influenciado por espíritos inferiores ou zombeteiros.

Sensações na incorporação
As sensações durante a incorporação são os resultados da equalização médium-espírito.

VERMELHO ESPIRITO
AZUL MEDIUM

Cada espírito trabalha numa faixa vibratória, assim como o médium.

VERMELHO ESPIRITO l
VERDE ESPIRITO ll
AZUL MEDIUM

Se um médium se habitua a apenas um guia, a tendência é de afinidade cada vez maior e as sensações se tornam cada vez mais sutis.

VERMELHO O GUIA ESPIRITUAL
AZUL O MEDIUM

Há caso de médium totalmente consciente que com o passar do tempo se adapta de tal forma que chega a total inconsciência.

VERMELHO O GUIA ESPIRITUAL
AZUL O MEDIUM

Durante uma passividade prolongada, o médium não consegue ficar durante todo o tempo em estado de transe; oscilando entre a consciência e a inconsciência, e até mesmo em alguns momentos perde o contato mediúnico.

VERMELHO O GUIA ESPIRITUAL
AZUL O MEDIUM

Sensações no início da prática mediúnica
• Vibração de uma linha D´Agua; Tremores e falta de equilíbrio: provocado pelo  pequeno deslocamento do perispírito com relação ao corpo físico, dando a impressão que vai desfalecer;
• Mãos suadas: é o típico da ansiosidade do médium ou a proximidade;
• No começo tudo é intenso:
• Vontade irresistível em se curvar (Pretos-Velhos);
• Sensação de algum lugar do corpo estar maior ou mais forte que o normal (Caboclos e Soldados);
• Queimação no Umeral (envolvimento a nível de chacras);
• Frio ou calor fora do normal, após a desincorporação (mudança vibracional pela falta da influência do espírito manifestante);
• Uma manifestação mais difícil e sutil, onde se utiliza apenas a região da garganta (voz direta referente a espíritos superiores).
• Todas essas sensações se amenizam com a prática e com o passar do tempo, então tudo já é bastante normal, mas aí é que vem o perigo: a acomodação do médium e o excesso de animismo.

Baixe a apresentação da aula: 20º Aula – Incorporação II

Aula 19 – Incorporação I

imagem1220º Aula – Incorporação II

Animismo
Animismo é a manifestação das experiências, conhecimentos e vivências adquiridos nas existências terrenas e espirituais ao qual o médium, em estado normal só tem acesso às experiências recentes (desta encarnação), e quando em transe, tem acesso a outras vidas e todas as suas experiências passadas, essas informações podem ser de base proveitosa, ou não, pois se tratam de uma experiência pessoal com conclusões também pessoas do certo e do errado.
O espírito manifestante pode se associar a tais informações do médium que o empresta o corpo físico para sua manifestação, para facilitar as mensagens a serem passadas, tanto para beneficio quanto para malefício das pessoas dependendo da origem e da intenção do que é feito ou falado.

Mistificação inconsciente
A manifestação inconsciente tem duas origens:
> Do espírito que se passa por outro espírito;
> Do médium que se passa por um espírito;
O outro caso é da pessoa pensar ser um médium de incorporação e no ímpeto de realizar tal desejo, toma um personagem como um guia espiritual e acredita que ele existe imitando muitas vezes outros médiuns para esse fim. Neste caso não existe intenção de prejudicar os outros, porem é inevitável.

Mistificação consciente
Quando o médium tem plena consciência que a suposta manifestação é de um espírito mistificador e a permite, ou não existe nenhum espírito e o “suposto médium” se faz passar por conselheiro, dando opiniões pessoais, envolvendo as pessoas com plena consciência do que faz.

Incorporação
Incorporação é um envolvimento mecânico- mediúnico em que o espírito comunicante se utiliza do médium para comunicação direta, além da voz o movimento de outros membros que pode ser a articulação da cabeça e pescoço, mãos e braço, tronco ou movimentação completa do corpo físico do médium.
A incorporação pode ser consciente, semi- consciente e inconsciente. A reação em cada médium varia e com semelhanças em alguns aspectos, mas não em todos. Vamos citar alguns:

Incorporação inconsciente
• Não existe consciência durante e nem lembrança depois da incorporação;
• O corpo do médium fica a comando do espírito comunicante;
• Manifestação pura e sem animismo;
• Não indicada para casos de sofredores e espíritos perturbadores.

Incorporação semi- consciente
• Existe consciência durante a manifestação e esquecimento depois da incorporação;
• Semi – consciência durante e após a incorporação;
• O médium pode influenciar na comunicação em maior ou menor intensidade, tanto no movimento mecânico como na voz direta;
• Todo médium semi – consciente é anímico em maior ou menor intensidade;
• Pode exercer qualquer tarefa no trabalho mediúnico, mediante vigilância das normas de conduta cristã.

Incorporação Consciente
• Total consciência durante e após a incorporação
• Total controle da situação permitindo ou não a livre manifestação do espírito;
• O animismo é o maior obstáculo para o médium consciente tendo que ter um bom nível de consciência moral e de conhecimento; sua maior qualidade deve ser o discernimento e o culto ao espírito de serviço ao próximo, acreditando no potencial de reação e superação dos que o procuram;
• Indicado para todo o trabalho mediúnico desde que esteja equilibrado e seguro, seguindo as normas de conduta cristã.

Baixe a apresentação da aula: Incorporação I

Aula 18 – Escala Espírita ll

Onde estamos nos acontecimentos do planeta: A nossa vida terrena, nos dá oportunidades de progresso infinito e podemos afirmar com certeza que não nos originamos unicamente na Terra. Tentaremos mostrar em uma breve demonstração, as condições planetárias e a evolução do espírito.

Todos os seres viventes se originam das experiências vividas em vários reinos:

• Mineral;
• Vegetal;
• Animal;
• Hominal.

A vivência aprimora o espírito: Deus nos criou, e dentro de cada reino experienciamos, conquistando através da vivência a condição humana. Já estudamos as ordens e classes dos espíritos e agora faremos um paralelo entre a evolução terrena e corporal, com a estadia dos espíritos que influenciam em sua formação.

O homem moderno que conhecemos se originou há cerca de 35.000 anos e a ciência não explica o “Elo Perdido” que é a mudança do “macaco” em homem moderno; Então vamos lá:

O homem como espécie animal que efetivamente é individualizado entre outros antropóides na Árvore da Vida, passou por um processo evolutivo de milhões de anos, até chegar ao ponto de desenvolvimento que hoje se encontra. A ciência, visando estudá-lo corretamente, encarregou-se de definir lhe uma classificação sistemática.

Enquadrou-o como sendo: Do reino animal; Do filo vertebrado; Da classe dos mamíferos; Da família dos primatas; Da super família dos antropóides; Da família dos hominídeos; Da sub família dos antropianos; Do gênero humano; E da espécie homem moderno (homo sapiens).

Em resumo, eis a evolução do tipo humano:

• Símios ou Primatas;
• Tipo evoluído do Símio – Proconsul (25 milhões de anos);
• Homus Erectus – Pitecantropus e Sinatropus ( 500 mil anos);
• Homus Sapiens – Solo, Rodésia, Florisbad, Neanderthal (150 mil anos);
• Homus Sapiens Sapiens – Wescombe, Kangera, Fontechevade, Cro-Magnon e Chancelade (35 mil anos).

Vamos caminhar um pouco pela nossa história:
25.000.000 – Proconsul
500.000 – Erectus
150.000 – Sapiens
35.000 – Sapiens Sapiens
7.000 – Civiliz. Egípcia 5.000 AC
6.000 – Escrita 4.000 AC
5.000 – Apogeu Egípcio 3.000 AC
2.500 – Apogeu Grego 500 AC
2.100 – Império Romano 100 AC
2.040 – Fim da Dinastia Egípcia 30 AC
2.012 – Advento do Cristo 0
1.700 – Cristão – Romano 300 DC
1.532 – Queda do Imp. Rom. 476 DC
1.600 – Início da Idade Média 500 DC
1.600 – Cruzadas 500 DC
516 – Fim da idade Média 1.492DC
516 – Descobr. Das Américas 1.492DC
500 – Renascimento 1.500DC
300 – Iluminismo 1.700 DC
300 – Revolução Francesa 1.700 DC
300 – Independ. Da América 1.700 DC
300 – Expansão da Filosofia 1.700 DC
300 – Inconfidência Mineira 1.700 DC
200 – Grandes Invenções 1.800 DC
200 – Materialismo 1.800 DC
200 – Evolucionismo e Espirit. 1.800 DC
98 – I Guerra Mundial 1.914 DC
74 – II Guerra Mundial 1.938DC
74 – Ditaduras Mundiais 1.938DC
74 – Desenv.Tecn.Cient 1.938DC
52 – Ditadura, Guerra Fria 1.960DC
52 – Anos Rebeldes 1.960DC
32 – Queda das Ditaduras 1.980DC
32 – Capital. e Consumismo 1.980 DC
24 – Queda do muro 1.988 DC
24 – Fim do Consumismo 1.988DC
24 – Fim da Guerra Fria 1.988DC
11 – Queda Torres Gêmeas 2.001DC
11 – Início do fim Imper.Amer. 2.001DC
4- Aquecimento Global 2.008DC
1 – Crise econômica na Europa 2.011DC
1– Ascensão Chinesa 2.011DC
1– Asc. dos países emergentes 2.011DC

Escala Espírita através da história: A evolução do espírito é o resultado das experiências terrenas e espirituais; a evolução do homem na Terra, pode se dizer que também é o resultado do espírito sobre a matéria.

Período Pré-histórico: 25 milhões de anos – A escala espírita se dividia entre espíritos puros (vivendo unicamente na espiritualidade) e os espíritos ainda animalizados.

Erectus: 500 mil anos – A escala espírita se dividia entre espíritos puros (vivendo unicamente na espiritualidade) e os espíritos ainda animalizados, mas, mais aperfeiçoados.

Sapiens: 150 mil anos – A escala espírita se dividia entre espíritos puros (vivendo unicamente na espiritualidade) e os espíritos ainda animalizados, mas, mais desenvolvidos; primeiro encarne de espíritos de outras orbes, com modificações mais acentuadas no corpo físico, auxiliando na evolução dos mais animalizados.

Sapiens Sapiens: 35 mil anos – A escala espírita se dividia entre espíritos puros (vivendo unicamente na espiritualidade) e os espíritos já não mais animalizados, com a ajuda dos mais desenvolvidos, permaneceram na Terra e os ainda animalizados, partiram para outras orbes e com as mutações genéticas provocadas pela influência desses espíritos, mais à frente surgiu a espécie do homem moderno.

5.000 AC: Surgimento da civilização Egípcia – A escala espírita se dividia entre espíritos puros (vivendo unicamente na espiritualidade) e os espíritos já não mais animalizados, convivendo com os espíritos mais desenvolvidos, vindo espíritos mais elevados de outras orbes.

Início da História: 4.000AC – criação da escrita; migração de mais espíritos de outras orbes;
3.000AC – Apogeu da civilização Egípcia: escala espírita como a que conhecemos hoje; Os acontecimentos históricos resultam das migrações encarnatórias terrenas em várias épocas e locais no planeta e explicam todos os outros fatos coincidentes na história.

Terceiro Milênio: iniciou-se o processo de modificação da escala espírita onde passaremos de planeta de expiação e prova para planeta de regeneração; provavelmente existindo só duas ordens de espíritos: a primeira e a segunda que são a dos Espíritos Puros e a dos Bons Espíritos ou em vias de ser.

Para finalizar: Quem são as Divindades, os Orixás, os Deuses, os Anjos, os Arcanjos?

Baixe a apresentação: 18º Aula – Escala Espirita 02

“O fisiologista refere tudo ao que vê. Orgulho dos homens, que tudo crêem saber, não admitindo que alguma coisa possa ultrapassar o seu entendimento. Sua própria ciência os torna presunçosos. Pensam que
a Natureza nada lhes pode ocultar.” Allan Kardec

Aula 17 – Escala Espírita

Image

TERCEIRA ORDEM: Espíritos IMPERFEITOS

– Predominância da matéria sobre os Espíritos.
– Propensão ao mal, ignorância, orgulho, egoísmo, e as más paixões.

Décima classe: Espíritos Impuros;
Nona classe: Espíritos Levianos;
Oitava classe: Espíritos Pseudo-Sábios;
Sétima Classe: Espíritos Neutros;
Sexta classe: Espíritos Batedores e Perturbadores.

SEGUNDA ORDEM: BONS Espíritos

– Predomínio sobre a matéria;
– Qualidade e desejo de fazer o bem;
– Uns possuem a ciência, outros a sabedoria e a bondade;
– Outros mais adiantados juntam ao seu saber as qualidades morais.

Quinta classe: Espíritos Benévolos;
Quarta classe: Espíritos Sábios;
Terceira classe: Espíritos Prudentes;
Segunda Classe: Espíritos Superiores;

Primeira Ordem: Espíritos puros

– Nenhuma Influência da matéria;
– Superioridade intelectual e moral absoluta em relação aos Espíritos e as outras ordens;
– Percorreram todos os graus da escala e se despojaram de todas as impurezas da matéria.

Puro
Superior
Prudente  Sábio  Benévolos
Perturbadores   Pseudo-Sábio
Levianos                  Impuros

 A classificação dos Espíritos funda-se no seu grau de desenvolvimento, nas qualidades por eles adquiridas e nas imperfeições de que ainda não se livraram.

Esta classificação nada tem de absoluta.

Espíritos PUROS: percorreram todos os graus da escala e se despojaram de todas as influências da matéria.
BONS Espíritos: Predomínio do Espírito sobre a matéria – desejo do bem. Uns possuem a ciência; outras a sabedoria e a bondade.
Espíritos IMPERFEITOS: Predominância da matéria sobre o espírito. Propensão ao mal. Ignorância, orgulho, egoísmo e todas as más paixões.

Erroneamente nos centros espíritas, se usa as palavras “Espíritos Superiores” para se reportar a todos os Espíritos relacionados aos trabalhos espirituais de uma casa. Superior ou Inferior depende do ponto de referência, mas na classificação do Livro dos Espíritos está bem clara: errado é se reportar a todos desta maneira. Esta aula deve ser lida no Livro II, capítulo VI, do Livro dos Espíritos para que possamos saber a que ordem pertencem e não nos deixar enganar por embusteiros. Diremos então: Espíritos Benevolentes, Espíritos Sábios, Espíritos Prudentes ou Espíritos Superiores, ou melhor ainda, nossos Amigos Espirituais, pois não importa sua classificação, mas sim suas intenções.

“Dia virá em que todas essas crenças, tão diversas na forma, mas que na realidade repousam num mesmo princípio fundamental: Deus e a imortalidade da alma se fundirão numa grande e vasta unidade, quando a razão triunfar dos preconceitos.” A Gênese – Allan Kardec

Baixe a apresentação: 17º Aula – Escala Espirita 01

Aula 16 – Liturgia

Liturgia
A palavra compreende uma celebração religiosa pré-definida, de acordo com as tradições de uma religião em particular; pode incluir ou referir-se a um ritual formal e elaborado (como a Missa Católica) ou uma atividade diária como as salats muçulmanas.

Liturgia em nossa casa
Defumação
Prece a Deus
Saudação aos “compadres“
Hino da Umbanda
Abertura da Jurema
Saudação aos Orixás
Bate Cabeça
Acompanhado por pontos cantados
Pontos cantados para Oxalá, para os dois Orixás da casa e o Homenageado do dia
Prece final e fechamento da Jurema

Rituais
Um ritual é um conjunto de gestos, palavras e formalidades, geralmente imbuídos de um valor simbólico, cuja performance é, usualmente, prescrita e codificada por uma religião ou pelas tradições da comunidade.

Rituais de Umbanda
BATISMO
CASAMENTO
RITUAIS FÚNEBRES
OBRIGAÇÕES AOS ORIXÁS
PRECEITOS
OFERENDAS
LEITURA DOS ORIXÁS, ETC.

IMPORTÂNCIA DOS RITUAIS
Os rituais existentes têm a sua importância em nosso sistema social que procura controlar o comportamento dos indivíduos. Os comportamentos do líder, ou do representante de um determinado grupo, ocorrem com o objetivo de organizar o grupo oferecendo condições para que seus membros se comportem de maneira adequada.

Um grupo sem um líder, conforme o meio social no qual está inserido, acaba não funcionando de forma adequada para a sua sobrevivência.
Temos que ter claro que o médium espírita, ao contrário do médium que labuta na umbanda, não trabalha com desmanche de pesados fluídos do Astral inferior, não desintegra campos de força magnéticos sustentados por despachos feitos com sangue e animais sacrificados, nem serve de escudo fluídico para energias jogadas contra consulentes que procuram os terreiros, por isso a importância da ferramenta ritualística.

Falaremos sobre alguns rituais que fazem parte também dos rituais:

Amaci: O amaci é uma mistura de ervas maceradas acrescentada a água da cachoeira, que é devidamente magnetizada em ritual próprio, na frente do congá, a fim de fortalecer o médium, facilitando as incorporações. A aplicação do sumo extraído das ervas se dá atrás do crânio, massageado na altura do bulbo raquidiano, diretamente numa linha vertical, com a glândula pineal, centro psíquico de recepção da mediunidade que está diretamente ligado ao chacra coronário.

Banhos: Todos os banhos de descarga devem ser tomados do pescoço para baixo; só se deve jogar o banho na cabeça quando for indicado pelo Guia Chefe do Terreiro, ou autorizado pelo Babalaô ou Mãe de Santo. Há banhos para todos os Orixás e Entidades e sempre que tiver dúvida consulte-os ou consulte um Pai, Mãe ou a Entidade chefe da casa sobre o banho a ser tomado.

Defumação: A defumação é essencial para qualquer trabalho num terreiro de Umbanda.
É também uma das coisas que mais chamam a atenção de quem vai pela primeira vez assistir a um trabalho.
Em geral a defumação na Umbanda é sempre acompanhada de pontos cantados específicos para defumação. Ao queimarmos as ervas, liberamos em alguns minutos de defumação todo o poder energético aglutinado em meses ou anos absorvido do solo da Terra, da energia dos raios de sol, da lua, do ar, além dos próprios elementos constitutivos das ervas. Deste modo, projeta-se uma força capaz de desagregar miasmas astrais que dominam a maioria dos ambientes humanos, produto da baixa qualidade de pensamentos e desejos, como raiva, vingança, inveja, orgulho, mágoa, etc.

Babalaô: É o nome dado aos sacerdotes exclusivos do Orixá Orunmilá-Ifá do Culto de Ifá, das culturas Jeje e Nagô. E que não entram em transe, sua função principal é a iniciação de outros babalaôs, a preservação do segredo e transmissão do conhecimento do Culto de Ifá para os iniciados.

Babalorixá: O babalorixá, ou baba (pai), é um sacerdote e líder de um centro de culto de uma das religiões afro-brasileiras. O termo é especialmente, mas não sempre, utilizado pelos líderes de terreiro de candomblé.

Pai de santo: Pai de santo, padrinho de umbanda ou chefe de terreiro, são termos usados em várias das religiões afro-brasileiras para designar a pessoa responsável ou autoridade máxima de um terreiro ou tenda de Umbanda.
O Babalorixá no Candomblé é chamado de zelador de santo, e muitas vezes de pai-de-santo também.

A diferença entre o padrinho de umbanda e o babalorixá, é que o primeiro não passa pelos ritos de passagem a que são submetidos os babalorixás durante sua iniciação. O padrinho de umbanda não tem sua cabeça raspada.

Mãe-pequena: é o mesmo que Iyakekerê, é a segunda pessoa na casa, na ausência da Iyalorixá ou Babalorixá, é ela que assume o comando. Está sempre presente e faz parte de todos os preceitos e obrigações.

‘A lei de ouro do comportamento é a tolerância mútua, já que nunca pensaremos todos da mesma maneira, já que nunca veremos senão uma parte da verdade e sob ângulos diversos.’
Mahatma Gandhi

 

Clique aqui e baixe a aula em arquivo: 16º Aula – Liturgias

Aula 15 – Cromoterapia

 

A palavra “cromoterapia” vem do grego “kromos”, cor e “teraphia”, tratamento. COR É LUZ.
Sem a luz, nossos olhos não conseguem captar as cores. Só podemos perceber as cores na presença da luz.

Quando a cromoterapia surgiu?
A cura pelas cores vem promovendo transformações no ser humano desde a antigüidade.
Não existe registro histórico sobre a Cromoterapia, porém, povos antigos já praticavam a terapia das cores. A energia do sol era utilizada pelos egípcios (3.000 a.C.). Hindus, chineses e gregos, vários séculos antes de nossa era, também faziam uso das cores em diversos tratamentos.

Como funciona uma sessão de cromoterapia?
Primeiro é feito um diagnóstico e depois escolhida as cores ideais para equilibrar os Chakras. A cor é aplicada em cima do ponto correspondente na área a ser tratada.

Quanto tempo dura uma sessão?
Não tem um tempo certo, pois vai variar do que vai ser tratado e a recomendação de quem fez a análise e da colaboração do paciente.

Para quem é indicada a cromoterapia?
Pode ser feita em qualquer pessoa, inclusive para crianças, tomando-se o cuidado de não aplicar no básico. Em gestante, somente sob orientação.

A cromoterapia está fundamentada em três ciências:
– Medicina: definida como a arte de curar;
– Física: Ciência que estuda as transformações da energia, em especial no capítulo dedicado à natureza da luz;
– Bioenergética: ciência que demonstra a existência do corpo bioenergético, duplo etéreo, analisando a energia vital duplo etéreo (invólucro provisório que coexiste estruturalmente e circunvolve o corpo humano, estreitamento ligado a exteriorização de energias, ao cordão de prata e aos chakras).

ESPECTRO SOLAR: É o resultado da divisão da luz branca em sete cores. O arco-íris é uma das formas como o espectro se manifesta na natureza. AS 7 cores do Espectro solar: amarelo, laranja, azul, verde, vermelho, índigo e violeta.
Na cromoterapia utiliza-se a vibração das cores do espectro solar para restaurar o equilíbrio físico-energético no corpo emocional, mental , etéreo e espiritual, que apresenta alguma disfunção, suprindo carências de determinadas vibrações energéticas e neutralizando o excesso de outras.
Os receptores da pele reconhecem informações luminosas, transformam-nas em impulsos nervosos e as transmitem para o sistema nervoso e endócrino.
As propriedades terapêuticas de cada cor vão agir nos campos energéticos que chamamos de Chakras (localizado no periespírito), corrigindo e reativando o campo vibratório celular através das nadis por onde flui a energia vital por eles modificada.
Cada cor tem uma vibração específica, atuando desde o nível físico até níveis mais sutis.

Falando um pouco das nadis:
Canais ou filamentos semelhantes ao sistema nervoso, existente no corpo espiritual, espécie de veias que conduzem energias. Equivalem no plano astral, a rede nervosa espalhada pelo organismo. São, portanto, linhas de força que não devem ser confundidas com os nervos do corpo físico, embora estejam em relação a eles como os Chakras com os plexos e órgãos do corpo físico.
Responsáveis não só pela comunicação, mas sobretudo, pela reciclagem das energias periespirituais para o corpo físico e vice versa.
Os Chakras comunicam-se uns com os outros, através das nadis por onde flui a energia por eles modificada.
No corpo etéreo, os nadis se apresentam como se fossem milhares de finos filamentos de gás néon, entrecruzando-o em toda sua extensão. Seu número, no entanto, é incerto.

O conceito simplificado da aplicação das cores na saúde dos homens, se dá através de alguns princípios básicos:
• O primeiro princípio afirma que o homem possui um corpo energético, associado ao seu corpo material.
• O segundo princípio observa que a harmonização e o equilíbrio do corpo energético é que produz a cura do corpo físico e da mente.
• O terceiro princípio relata que no corpo físico existem milhares de portas para o corpo energético , através das quais as cores (na forma de energia luminosa) exercem seu poder curativo.

Algumas técnicas como fonte de cura ou harmonização:

Luz do Espectro Solar: utilizamos uma garrafa, e nesta, colocamos água potável, envolvendo-a com papel colorido (na cor conforme tratamento). A exposição ao sol deverá ser de no mínimo, 4 horas, para que a água possa ser carregada com a energia solar refletida pelo papel colorido.

Luz de lâmpadas coloridas: (método mais utilizado), utilizamos um aparelho com lâmpada e disco colorido, de acordo com a cor indicada para o tratamento, sempre no sentido horário, para aplicação da cromo básica ou seguindo a recomendação em outros tratamento. Quando saímos de um ponto de aplicação, desliga-se o aparelho e religa ao iniciar novo ponto. Também, podemos usar um direcionador com foco, caso seja recomendado para tratamento específico.

Mentalização das cores: metalizando as cores indicadas para tratamento, utilizando as mãos como aparelho transmissor.

Os cristais: Colocado sobre o ponto de tratamento. Os sete principais são: Quartzo transparente, Ametista, Sodalita, Aventurina, Citrino, Cornalina e Quartzo Rosa.

Fluido cósmico universal (denominação dada por Kardec). Conhecida também por prana, pelos esotéricos.
Matéria elementar primitiva que permeia todo o universo, incluindo a nós humanos. Está em tudo, em toda parte, penetra tudo. Está em toda forma de matéria. (Mas não é matéria.). Por ser o elemento gerador de todo o restante das manifestações materiais e energéticas, guarda similaridade e afinidade com estas, podendo, muito facilmente, sob a ação de uma vontade, interagir com todas, inclusive mudando suas propriedades físicas, temporária ou permanentemente.

O QUE É KUNDALINI?
A energia kundalini ou fogo serpentino é a forma mais forte de energia polarizada existente na terra. Simbolizada pela forma de serpente. É o poder espiritual da grande mãe terra, cujo propósito é despertar a vibração energética no coração humano. A kundalini se eleva ao cosmos e se funde com a consciência cósmica universal. Situa-se enroscada próximo à base da coluna (chacra básico), e enquanto adormecida, funciona como uma chama, até ser ativada.

Conhecendo os Chakras (OU VÓRTICES)
A palavra chacras é de origem sânscrito, e se traduz pelo termo roda, também conhecido como “centro de força” por assim ter sido denominado na obra de Chico Xavier “Missionários da Luz” pelo espírito André Luiz.
Estão localizados no periespírito, interligando-se ao corpo físico através dos plexos nervosos, tendo como função acumular e distribuir energias fluídicas.
São pontos de conexão ou enlace que flui a energia de um a outro veículo. São percebidos pelos videntes como aspirais girando em alta velocidade (quando estão em perfeito equilíbrio). É através dos chacras que nosso corpo etéreo se manifesta mais intensamente no corpo físico.
Eles aumentam, reduzem, moderam ou aceleram a energia de um corpo para outro, de modo que a energia mais rápida do corpo emocional possa afetar a energia mais lenta do etéreo e vice-versa.
As cores variam de um chacra para outro e de acordo com o tratamento necessário ao paciente.
Em pessoas saudáveis e evoluídas (espiritualmente), a forma do chacra se encontra num belo equilíbrio, com vívida luz. (segundo os hindus, eles giram abrindo-se, formando uma flor, a qual denomina de LOTUS DE MIL PÉTALAS).
No homem ¨doente¨, seu movimento é lento e há uma queda de energia. O físico é afetado por essa queda de energia, e também pelo grau de harmonia do seu rítmo, e qualquer obstrução que possa detonar os padrões normais de energia, resulta na perda de vitalidade e em doença.
Para que a corrente de trabalho se efetive, os chakras possuem correspondência com determinadas regiões do corpo físico, atingindo-as pelo Sistema Nervoso, através dos Plexos, para “banhar” as glândulas de secreção interna (endócrinas), cujos hormônios são distribuídos para todas as células. Também se dá no sentido inverso.
Existem diversos chakras, no entanto, nos ateremos a sete principais, e suas correlações com o Sistema Nervoso (Plexos) e as glândulas.

Os plexos
Um plexo nervoso é uma rede de nervos entrecruzados semelhante a uma caixa de distribuição elétrica numa casa.
Plexo, derivado do latim, “plessus”, quer dizer enlaçamento. Entrelaçamento de muitas ramificações de nervos ou filetes musculares, vasculares.
O Sistema Nervoso é complexo e permeia todo o corpo físico denso em verdadeiro embaraço de linhas, pois as células se tocam, uma na outra, pelos dendritos, e os nervos formam “cordões”.
No entanto, em certos pontos do corpo, as células nervosas foram uma espécie de rede compacta, entrecruzando-se abundantemente, em conglomerados complexos e emaranhados, que parecem nós de uma linha embaraçada. A medicina chama a esses pontos, plexos nervosos. Existem bastante no corpo, mas alguns são considerados de maior importância, pela localização e pelo trabalho que realizam. A localização dos Centros de Força no periespírito corresponde à dos plexos no corpo físico. Os Centros de Força e os plexos, vibram em sintonia uns com os outros ao poder da mente, que os dirige.
(ANDRÉ LUIZ – LIVRO MISSIONÁRIOS DA LUZ)

• Chakra da cabeça – plexo Coronário:
Situa-se no alto da cabeça, como uma coroa. Está ligado à glândula pineal (epífise) que é responsável pela produção da melatonina, substância reguladora do sono. Essa glândula é responsável pela mediunidade do ser. O nível de vibração deste chacra é o mais alto. Responsável pela capacitação da energia cósmica.
Órgãos físicos: córtex cerebral, sistema nervoso central, cerebro superior.

• Chakra testa – plexo Frontal:
Localizado na testa, no meio das duas sobrancelhas. Energiza e controla a glândula pituitária e hipófise. Estando este chacra bem desenvolvido, possibilita a vidência astral e o trabalho com a psicometria.
É responsável pela segregação da endorfina (hormônio que causa sensação de bem-estar). Conhecido como chakra do terceiro olho.
Órgãos físicos: olhos, nariz, orelha, cerebelo.

• Chakra pescoço – plexo Laríngeo:
Localizado na base da garganta, energiza e controla as glândulas tireóide.
Controla a expressão verbal, influindo sobre o sistema auditivo.
Órgão físico: toda área da garganta. Também com toda área do sistema imunológico do corpo humano.

• Chakra do coração – plexo Cardíaco:
Localizado na região do tórax, entre a quarta e a quinta vértebra, ligado a glândula timo. É o chakra do centro do coração.
Regula as emoções e os sentimentos. Responsável pela irrigação do coração.
No processo de cura, o coração transforma as energias do plano da terra em espirituais e telúricas, para serem usadas pelo paciente.
Órgãos do físico: coração, sistema circulatório, pulmões.

• Chakra gástrico ou umbilical – plexo solar:
Situa-se na região lombar, acima do umbigo e abaixo do osso externo-peito. Ligada às glândulas supra-renais(que segregam a adrenalina).
Órgãos físicos: fígado, vesícula, pâncreas , duodeno, intestino e abdômen. Atua diretamente nas emoções do indivíduo, enquanto que o cardíaco regula.

• Chakra básico – plexo sagrado:
Situa-se na base da espinha dorsal. Neste chacra localiza-se a energia kundalini.
Órgãos físicos: rins, coluna espinhal, colo, pernas e ossos.

• Chakra esplênico – plexo mesentérico:
Localiza-se à esquerda do abdômen, abaixo da 10º costela. Glândula do baço (centro vitalisador do corpo humano). A incorporação dos espíritos nos médiuns, se dá através de seu campo magnético.
Órgão físico: baço físico e relacionado com a circulação sanguínea.

CURIOSIDADE: CHACRA UMERAL
Localiza-se entre as omoplatas, junto ao plexo braquial, que se estende até o ponto de ligação dos braços com o tronco. Comanda os movimentos do braço, antebraços, mãos e dedos.
É o ponto de ligação do espírito comunicante para a psicografia mecânica (é quando o que o médium escreve, não lhe passa pelo cérebro; sua ação se dá diretamente na mão e no braço, e somente após o transe, é que o médium toma conhecimento daquilo que escreveu ou desenhou.).
Obs: Existem outros Chakras que no momento não abordaremos.

Cuide-se:
Cada célula reage a cada pensamento, a cada palavra, a cada atitude que você tenha. Por isso, se prolongarmos durante muito tempo determinadas formas de pensar, falar e agir, elas irão produzir comportamentos e posturas corporais, assim como um maior ou menor bem estar.

SUA CONDUTA CONTRIBUI PARA TUA SAÚDE OU DOENÇA.
Qualquer disfunção nos Chakras, afeta as glândulas e órgãos correspondentes. Este distúrbio ocorre pela alteração na rotação do chakra em desequilíbrio, que passa a girar no sentido anti-horário. Além de não captar energia para aquela região, a corrente energética flui para fora do corpo, pelo próprio chakra. Desse modo, interfere no metabolismo dos órgãos a eles relacionados.
Nos Chakras, a cromoterapia enfatiza a cor e a sua correspondência, restaurando o seu equilíbrio para que o organismo recupere a vitalidade.
Querer classificar as cores, é limitar o poder da luz. Cada cor tem uma infinidade de aplicações, pois elas são conjugadas à outras energias que estão além dos sentidos ou dimensões.

Cores no uso da cromoterapia (resumo das teorias)
Vermelho: ativa a circulação e o sistema nervoso.
Amarelo: ajuda o autocontrole e estimula o raciocínio.
VERDE: possui efeito equilibrador em todo o organismo.
Azul: Ajuda a tranqüilizar e acalmar.
VIOLETA: estimula o sistema imunológico e ajuda na parte circulatória.
LARANJA: ajuda na comunicação.
LILAS: ajuda na parte emocional e mental.

Como fazer o diagnostico do problema e tratá-lo.
Através de uma conversa com o paciente, e análise das informações adquiridas;
Com o auxílio de um amigo espiritual, em trabalho.
Verificação através do pêndulo de cristal.

O processo da cromoterapia segundo RAMATIS (mestre espiritual).
Através dela, capturamos as cores da natureza para aplicá-las em nossos campos energéticos, recuperando assim o nosso bem-estar e a nossa saúde. Visa restabelecer o equilíbrio-cor, restaurando assim a nossa aura fragmentada, restabelecendo, portanto, o nosso equilíbrio físico, mental e espiritual. Mas, ressalvo, que a simples aplicação das cores num tratamento, mostra-se de ação muito fraca.
Amplia-se positivamente se for aplicada como fruto da mente do terapeuta (ou seja, falo aqui da intenção de cura por parte de quem aplica). Para utilizarmos essa Terapia, assim como qualquer outra, é imprescindível interagirmos nesse processo esquecendo, ao iniciarmos um trabalho terapêutico, completamente os nossos problemas pessoais e quaisquer assuntos que não digam respeito ao tratamento em questão, pois do contrário, não conseguiremos a harmonia e o equilíbrio necessários para o processo de cura que objetivamos.
A energia cósmica, em estado natural e que nos circunda, com as cores, é transformada em energia de cura necessária para cada caso. Devemos interagir tanto com nossos atendidos, quanto com as entidades espirituais que nos assistem, no processo no qual estamos todos envolvidos, lembrando sempre que somos parte de um grupo.

“A SUA FÉ E A MUDANÇA DE ATITUDE, É O IMPULSO PRIMÁRIO PARA O EQUILÍBRIO PLENO DO SEU CORPO FÍSICO, MENTAL E ESPIRITUAL.”

 

Clique aqui e baixe a aula em arquivo: 15º Aula – Cromoterapia

Aula 14 – Exu e as 7 linhas

OS EXUS CÓSMICOS
Abordaremos dentro do assunto 7 Linhas, o agente EXU, mas devemos destacar que Exu também é Orixá.
Estaremos abordando a hierarquia dos Exus nas 7 Linhas.

Existe em primeiro plano, 7 Exus Cósmicos, equivalendo as 7 Linhas de Vibração.

  • EXU CÓSMICO                            SERVENTIA DIRETA DE:
  • EXU 7ENCRUZILHADAS       OXALÁ
  • EXU TRANCA-RUAS              OGUM
  • EXU MARABÔ                            OXOSSI
  • EXU GIRA-MUNDO                 XANGÔ
  • EXU PINGA-FOGO                   YORIMÁ
  • EXU TIRIRI                                YORI
  • EXU POMBA-GIRA                 YEMANJÁ

7 ORIXÁS
Os 7 Orixás estenderam aos seus Guardiões da Luz para as Sombras, o comando das ações, das cobranças e reajustes kármicos.
Esses, por sua vez, arrebanharam logo que puderam aqueles que foram “marginais do Universo”, agora regenerados e necessitando de complementação nas suas fichas kármicas e que, após esse complemento ou reajuste, se liberariam da função kármica atuando como Exu.

Karmas
O karma tem reajustes e cobranças e essas são feitas pelos Exus, que assim fazendo cooperam para o equilíbrio da Lei, equilibrando também suas próprias necessidades perante essa mesma lei. Essas legiões de espíritos ‘ditos elementares’, se agrupam em falanges, sub-falanges, grupos, sub-grupos e colunas.
Operam mais nos serviços terra-a-terra, dentro, da justa relação imposta pelo karma coletivo, grupal e individual e esses espíritos que coordenam todo esse movimento de plano a plano, além de seus sub-planos, são os cabeças de legião, que são todos qualificados como EXUS, uma espécie de polícia de choque que fiscaliza e frena o submundo astral.

Vibração Original
São as faixas de vibrações espirituais em que se agrupam por afinidades, diversos seres espirituais.
É também a potência espiritual que é a cabeça de toda uma faixa vibratória, promovendo legiões, falanges, sub-falanges, formando as linhas dentro da Esquerda.
Então, as linhas, tanto na Direita quanto na Esquerda são de espíritos encarnados ou desencarnados, que compõem as legiões, falanges, sub-falanges e agrupamentos que se movimentam sob o consentimento, proteção e ordenação das vibrações espirituais dos Orixás, servidos pelos Exus Cósmicos que ordenam seus exércitos dentro de sua faixa espiritual afim.

EXUS NAS 7 LINHAS

  • Cor – Vermelho e preto
  • Dia da semana – Segunda-feira
  • Horário – de acordo com cada faixa de vibração
  • Elemento – Terra – Fogo – Água – Ar
  • Energia – terra-a-terra
  • Flor – Rosa vermelha (para as moças) e cravo vermelho (para os compadres)
  • Chefe de Legião – de acordo com cada faixa de vibração

Montagem de Estrela Representativa
Na sequência verificaremos a montagem dos quarenta e nove respectivos Exus Cabeça de Legião relacionados com sua linha e sua faixa vibratória, que o relaciona com uma outra linha, formando uma mandala.

VIBRAÇÃO ORIGINAL DE OXALÁ
EXU COSMICO DE OXALÁ – SETE ENCRUZILHADAS
1 – EXU GUARDIÃO    7 ENCRUZILHADAS
2 –  “               “              7 POEIRAS
3 –  “               “              7 CAPAS
4 –  “               “              7 PEMBAS
5 –  “               “              7 CRUZES
6 –  “               “              7 CHAVES
7 –  “               “              7 VENTANIA

VIBRAÇÃO ORIGINAL DE OGUM
EXU CÓSMICO DE OGUM – TRANCA RUAS

1 – EXU GUARDIÃO TRANCA-RUAS
2 –     “            “            TIRA-TOCO
3 –     “            “             PORTEIRA
4 –     “            “             VELUDO
5 –     “            “             TIRA-TEIMA
6 –     “            “             TRANCA-GIRA
7 –     “            “             LIMPA-TUDO

VIBRAÇÃO ORIGINAL DE OXOSSI
EXU CÓSMICO DE OXOSSI – MARABÔ

1 – EXU GUARDIÃO MARABÔ
2 –    “              “          LONAN
3 –    “              “          DAS MATAS
4 –    “              “          CAPA-PRETA
5 –    “              “          BAURU
6 –    “              “          CAMPINA
7 –    “              “          PEMBA

VIBRAÇÃO ORIGINAL DE YORI
EXU CÓSMICO DE YORI – TIRIRI
1 – EXU GUARDIÃO TIRIRI
2 –    “             “           MANGUINHO
3 –    “             “           LALU
4 –    “             “           GANGA
5 –    “             “           MIRIM
6 –    “             “  VELUDINHO DA MEIA  NOITE
7 –    “             “          TOQUINHO

VIBRAÇÃO ORIGINAL DE YORIMÁ
EXU CÓSMICO DE YORIMÁ – PINGA-FOGO  

1– EXU GUARDIÃO  PINGA-FOGO
2 –   “               “          COME-FOGO
3 –   “               “          LODO
4 –   “               “          BRASA
5 –   “               “          BARA
6 –   “               “          ALEBÁ
7 –   “               “          CAVEIRA

VIBRAÇÃO ORIGINAL DE XANGÔ
EXU CÓSMICO DE XANGÔ – GIRA-MUNDO

1- EXU GUARDIÃO GIRA-MUNDO
2 –  “             “           VENTANIA
3 –  “             “            MANGUEIRA
4 –  “             “            MEIA-NOITE
5 –  “             “            CORCUNDA
6 –  “             “            QUEBRA-PEDRA
7 –  “             “            DAS PEDREIRAS

VIBRAÇÃO ORIGINAL DE YEMANJÁ
EXU CÓSMICO DE YEMANJÁ – POMBA-GIRA

1 – EXU GUARDIÃO POMBA-GIRA
2 –    “             “           DO MAR
3 –    “             “           MÁCANGIRA
4 –    “             “           CARANGOLA
5 –    “             “           MARÉ
6 –    “             “           NANGUÊ
7 –    “             “           GERERÊ

“Quem vive nas trevas não consegue ser visto, nem vê nada. Deus não trabalha mal. Ele nos dá razão e o conhecimento de modo a que possamos estar sempre em guarda contra as armadilhas do erro e da destruição. Abençoados são aqueles a quem Deus conferiu o dom da razão.” – Kahlil Gibran

Clique aqui e baixe a aula em arquivo: 14º Aula – Exu e as 7 linhas